Marketing Digital : mais um post clichê sobre relacionamento no ambiente digital

Sim, vou começar o ano falando de Marketing Digital e reclamando deste serviço que, cada ano que passa, nos proporciona um universo de possibilidades e rótulos nos negócios e, por que não, na nossa vida pessoal? Já que cada vez mais, marcas são mais pessoas que as pessoas.

Prometi que não ficaria batendo nessa tecla por aqui, mas é por uma boa causa.

É impressionante a quantidade de empresas com potencial de investimento em comunicação, capazes de realizar um trabalho sério com Marketing Digital dentro das estratégias de posicionamento, que não estão dando a mínima para a própria marca no ambiente digital, que resolvi abordar esse assunto novamente. Confesso que  esse texto vai parecer um pouco clichê para alguns, mas quem sabe eu não consiga passar o recado para quem precisa.

O vitrinismo, o imediatismo e a ansiedade do empresário que contrata – quando contrata – um profissional ou empresa para gestão de marca online, ainda é um assunto que vai tirar o sono e estressar muito profissional sério por aí. Sim, sério, porque a gama de picaretas digitais, têm ganhado cada vez mais espaço com suaspromessas milagrosas e suas máquinas de vendas a todo momento. Mas vamos pular essa parte.

Me espanta, de verdade, algumas – muitas – empresas consolidadas no mercado, e faço questão de ressaltar, novamente, com potencial de investimento, não darem a devida importância para algo tão simples e, nem tão difícil de se entender: a construção estratégica do relacionamento entre o consumidor e a marca no ambiente digital.

O Marketing Digital, ainda é visto por muitos gestores, de médias e até grandes empresas, como gasto, e não como investimento. E isso é um problema, principalmente pela andar da carruagem no nosso querido país do futebol. Tentar explicar que parte do investimento tem que ser direcionado nas estratégias de relacionamento nas redes sociais é quase a mesma coisa que tentar se comunicar em outro idioma, por direto que sejamos nas nossas reuniões.

Não dá pra generalizar. Entendo, perfeitamente, que se existe investimento, a regra é clara; deve existir o retorno. Parece óbvio, mas é mais complexo do que se imagina. Por dois motivos; primeiro, porque estamos lidando com pessoas e não com robôs. Segundo, a rede é social, não comercial.

Eu vivo e trabalho em um mercado conservador (para não usar outra palavra ) e um pouco complicado de se lidar com o tal do Marketing Digital. É nítido que a falta deplanejamento e organização de muitas empresas, é o que os impedem de enxergar a importância de se crescer e construir uma imagem madura no ambiente digital, agora, para colher frutos no futuro, de forma estratégica, é o ponto crítico.

Na cabeça dessa turma que estou falando, todo e qualquer meio de comunicação, tem que vender. Muito. Rápido. E investindo pouco. Muito pouco.

Será que culpa é realmente das empresas de Marketing Digital, do freelancer… Ou é do empresário que, como disse um pouco acima, muitas vezes é extremamente desorganizado, e só pensa em vender, desvalorizando os profissionais que estudam para trazer o resultado necessário e  ignorando as inúmeras possibilidades que o meio digital oferece?

E aí, a culpa é de quem?
Opine!
Discorde!
Compartilhe sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *