Empreendedorismo: só a tempestade revela o verdadeiro navegante

Quem nasceu pra ser chefe, dificilmente será líder…

É com essa frase que eu gostaria de iniciar o texto de hoje e falar um pouco da importância dos valores pessoais no empreendedorismo.

Se você pretende, algum dia, ser dono do próprio negócio e entrar para o fantástico e glamoroso mundo do empreendedorismo, seja qual for o seu mercado, uma coisa é certa: você vai precisar de dinheiro. Mas, ele não é tudo.

Dinheiro, consequentemente, estará sempre atrelado ao sucesso de uma proposta de valor que você, seus sócios e sua equipe acreditaram ser coerentes com um objetivo maior: o sucesso do negócio. Lá no início, no surgimento do DNA da empresa, existe essa proposta e muitos ignoram.

O dinheiro é consequência do sucesso do um trabalho bem feito. Parece clichê, mas no empreendedorismo, o dinheiro precisa vir em segundo lugar. Ou terceiro.

Mas, antes mesmo de pensarmos em sucesso e de uma proposta de valor empresarial, existe uma outra proposta de valor, muito mais grandiosa no empreendedorismo: os valores pessoais do indivíduo. Aqueles que mostram quem é você de verdade. Aqueles valores que mostram se você nasceu para ser chefe, ou se nasceu para ser líder.

Quando estudamos posicionamento de marca, por exemplo, a gente esbarra com a tal da persona, um representante ideal dos valores e características, responsáveis por pautar uma parte do estudo na criação da identidade corporativa de uma empresa. É o início de tudo. O DNA da marca.

Uma marca bem posicionada não deixa dúvidas sobre sua proposta de valor perante a sociedade. E nós nunca fomos tão “marca” como hoje em dia…

São nestes valores que eu gostaria de chegar.

Os valores pessoais são importantes e diretamente ligados aos valores de sucesso que nós acreditamos quando navegar em águas empreendedoras.

Você pode ser o tipo de cara que vê no sucesso da sua empresa, apenas o valor financeiro, dita regras e dá ordens. Parabéns, você será um ótimo chefe. Como, também, você pode ser o cara que não mira no próprio umbigo e consegue ter visão crítica e sensível na hora de tomar decisões relacionadas às pessoas que estão em sua volta, sejam essas pessoas, seus sócios ou alguém da sua equipe, para tentar solucionar as coisas, sem ditar regras ou apenas dar ordens. Você lidera.

O empreendedorismo é um mar de oportunidades. Eu tenho o costume de dizer que só as tempestades são capazes de relevar os verdadeiros navegantes; por que em alto mar não é só olhar pra frente e procurar a ilha onde o tesouro está. Você precisa saber coordenar a sua equipe e liderá-la de forma que o vento não afunde o seu barco.

Se olhar para o próprio umbigo, visando apenas o seu sucesso e interesses pessoais, a tempestade vai levar boa parte da sua tripulação. E, mesmo os que sobrarem, com certeza, quando a tempestade passar, não vão mais confiar em você. As pessoas não gostam de chefes.

Você já parou para pensar qual a sua proposta de valor como pessoa? Faça esse exercício hoje, ao deitar, antes de dormir. Tente responder para si mesmo, se as suas atitudes são coerentes a sua proposta de valor como pessoa, e se ela faz de você chefe, ou faz de você líder.

Por mais que o empreendedorismo tenha lá a sua camada de glamour, quem entra no barco vai ter se acostumar com o balançar das águas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *